Como escolher um professor de música

Tempo de leitura:

Muitas pessoas querem trazer a música para suas vidas, no entanto, não sabem exatamente por onde começar e não conhecem os atributos necessários a um bom professor de música. Muitos acreditam que, para ser um professor de música, basta ser um bom músico, mas o fato de alguém dominar um instrumento não significa que conseguirá passar o conhecimento adiante. Ser didático, antenado com as novas tendências do mercado e pensar na satisfação do aluno são atributos essenciais. Esta postagem traz algumas reflexões que podem ajudar leigos a escolherem um professor de música com segurança. Confira as dicas abaixo: 

Tipo de professores mais comuns

Hoje em dia é muito comum os professores de música atuarem em escolas de música, em escolas regulares que possuem a disciplina incorporada na grade, no ambiente online e em aulas particulares domiciliares na casa do aluno, ou na casa do professor. Todas essas modalidades possuem prós e contras e, dependendo da abordagem, podem funcionar melhor que outra.

Procure professores que atuam em escolas regulamentadas pelos órgãos de educação

Não quero dizer que escolas não regulamentadas pelo MEC ou por algum outro órgão de regulação como secretarias de educação em âmbitos estatais e municipais não sejam confiáveis ou que professores particulares também não o sejam. No entanto, escolas e professores em ambientes regulamentados são frequentemente fiscalizados e, por isso, estarão mais preocupados em cumprir com os parâmetros curriculares nacionais de educação e as normas estruturais e de contratação de pessoal. Nos casos onde o aluno não tem muita certeza do que está contratando, nesses espaços é mais garantido que receba um serviço de qualidade.

Pergunte sobre as condições de trabalho do professor

Professores com contratos dentro da lei normalmente estão mais satisfeitos com as condições de trabalho, visto que possuem seus direitos resguardados, logo, oferecerão melhor serviço, desde que estejam satisfeitos com seus salários. Um professor que esteja sob um contrato abusivo, ou receba pouco pela função, provavelmente não está satisfeito com sua situação e, consequentemente, pode não oferecer o melhor serviço. Saber um pouco sobre as condições de trabalho do professor reflete num bom ensino. Observe o preço das aulas. Pense que, normalmente, as escolas dividem os proventos com o professor e observe se a média desse rendimento resulta numa remuneração justa. Pergunte à escola como os professores são pagos, se estão satisfeitos com seus salários e, se tiver alguma abertura, procure saber se o professor está feliz em trabalhar lá. Parece algo muito íntimo, mas reflete diretamente na qualidade de ensino. A mesma reflexão vale para professores particulares, sendo que, neste caso, o patrão é o próprio contratante. Normalmente os que cobram barato ou estão em situações de desespero ou não possuem um trabalho valioso, logo, com baixa qualidade. De qualquer forma, o estímulo pelo trabalho será o mesmo, quanto mais justa for a remuneração, melhor o serviço.

Analise a estrutura oferecida nos espaços de aula

Aulas de música necessitam de estrutura adequada. Bons instrumentos devidamente conservados e afinados, bom atendimento ao público elucidando sobre as condições da escola, bom material pedagógico, de preferência elaborado por autores de notório saber. Verifique se a escola e/ou o professor oferece materiais de qualidade, antes de fechar o negócio. Muitas vezes, o aluno opta pelas aulas particulares na própria casa, isso pode resultar numa deficiência de materiais, visto que muitos alunos não terão os mesmos equipamentos de um professor ou de uma escola. Alguns professores se dispõem a levar os materiais, mas nem todos os apetrechos são portáteis, nesses casos, muitos optam por atender na própria casa, onde criam uma estrutura para isso. Nos ambientes online, essa situação fica mais complicada, visto que os materiais serão manuseados de maneira remota. Observe os recursos utilizados pelo professor para resolver este problema e sempre pergunte a respeito. 

Dê preferência aos cursos regulares

Hoje em dia, os cursos livres são muito populares dada a flexibilidade no horário das aulas. No entanto, a música é uma ciência de formação global. Uma hora de aula de instrumento pode não ser o suficiente para chegar aos objetivos, especialmente para alunos iniciantes. Alguns atributos como pulso, afinação, reconhecimento de alturas, são necessários para tirar melhor proveito das aulas individuais que, na maioria dos casos, não atendem essa demanda, seja pela incapacidade do professor de atender os requisitos externos ao instrumento - que podem ser muito específicos e necessitar de profissionais com outras expertises e atividades específicas - seja pela escassez de tempo. Uma escola pode oferecer, além da aula de instrumento, aulas de percussão,  para aprimoramento rítmico do aluno, ou aulas de canto coral para aprimoramento vocal, harmônico e de afinação. Todos esses atributos são básicos para a execução musical e podem favorecer a qualidade da aula do instrumento. Um curso com estrutura curricular mais completa, que possibilite acesso à aulas teóricas e práticas musicais diversas, especialmente as de conjunto, que estão mais próximas das situações de execução musical mais comuns, provavelmente oferecerá um serviço mais eficiente.

Analise o currículo do professor

Muitos professores atuam sem formação acadêmica e isso não necessariamente é um problema, visto que muitos possuem notório saber. No entanto, o quadro atual é mais complexo. Como o mercado não tem muita regulação, muitos profissionais incapacitados atuam nele. Ao mesmo tempo, profissionais com formação acadêmica também podem oferecer um serviço ruim, visto que nem todos os cursos de formação  musical contemplam os aspectos pedagógicos. De qualquer maneira, a formação do professor é um dado de segurança, uma vez que comprova que o mesmo estudou o assunto e se capacitou para dar aulas. Analise o currículo do professor, veja onde ele estudou, com quem estudou, veja a sua produção intelectual na área, sua carreira como músico, etc. Todos esses dados contribuem para uma melhor escolha.

Prefira professores que tenham ensino superior

A graduação em música pode ter duas vertentes: a de bacharelado, que foca na formação do músico performático, e a licenciatura, que foca na formação do professor de música. Por uma questão de foco do curso, é mais provável que um professor que tenha licenciatura ofereça um melhor serviço do que aquele que não tem. Tendo um bacharelado, além da licenciatura, melhor ainda. O professor também pode ser pós graduado, ter mestrado, doutorado, etc. Quanto mais títulos o professor tiver, maior a probabilidade de oferecer um serviço melhor. Pergunte sobre a formação do professor, antes de começar a fazer aulas.

Analise o currículo lattes do professor

As licenciaturas em música normalmente exigem um TCC (trabalho de conclusão de curso) para a conclusão. Muitas vezes, esses trabalhos são pesquisas acadêmicas que, em alguns casos, exigem a inscrição do professor nas bases do CNPQ (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) como pesquisador. Nessas bases estão os chamados currículos lattes, onde é possível ter acesso à atuação profissional e acadêmica do professor. Faça uma análise minuciosa desses currículos, antes de fechar negócio com um professor. Verifique se ele atua na disciplina que está oferecendo, se tem trabalhos relevantes sobre o assunto. Veja também a sua produção  artística e intelectual. Quanto maior for a produção, maior a probabilidade de ser mais capacitado. Professores sem currículo lattes provavelmente possuem baixo engajamento acadêmico, consequentemente, o pouco diálogo que mantêm com as instituições de produção e formação musical, reflete-se na qualidade de ensino que oferecem. São nestes espaços que o professor terá acesso às novas pesquisas sobre ensino e dialogará com pessoas que estão pensando sobre o assunto. 
Veja o meu lattes: Rafael Pires Quaresma Caldas

Verifique as instituições de ensino que o professor frequentou.

As instituições de ensino possuem avaliação nacional e internacional. Verifique a posição nos rankings de universidades dessas instituições. Um professor que estudou em instituições mais bem ranqueadas provavelmente terá uma formação melhor. Há também rankings de piores universidades. Um professor formado numa universidade ruim, provavelmente fez um curso "nas coxas". Com uma formação deficitária, é provável que não ofereça um bom serviço. Abaixo seguem alguns links com rankings universitários.

Saiba mais sobre os métodos adotados pelos professores

Faça perguntas sobre os métodos utilizados pelos professores. Pergunte como são aplicados, para que tipo de aluno foram concebidos, sobre os autores que elaboraram estes métodos. Procure saber se possuem reconhecimento na comunidade artística e acadêmica. Um professor que não sabe elucidar o aluno sobre o método que utiliza, provavelmente não saberá como aplicá-lo, bem como não conseguirá definir um norte para o aluno, apontando para novos horizontes e mostrando as condições para seu crescimento dentro da música.

Verifique a atuação profissional do professor

Muitos professores podem oferecer aulas em uma escola e atuar em outros espaços de maior relevância. As vezes, mesmo em escolas mais modestas estão professores altamente qualificados. Muitos também reservam uma parte de seus horários para trabalhos voluntários em ONG's ligadas ao ensino de música para pessoas carentes. Também há aqueles que possuem uma vida artística agitada, fazendo shows, concertos e apresentações com grupos e locais de prestígio. Não subestime um professor pelo lugar que ele trabalha, muitos conseguem ótimos resultados com poucos recursos.

Avalie a atuação do professor como músico

Um professor de música que não atua em nenhum momento como músico provavelmente não estará bem interado sobre o mercado. Muitos professores por incapacidade de conjugar as duas atividades desistem da carreira de músico e se dedicam apenas a dar aulas. Muitos que se encontram nesta situação são músicos frustrados que, além de não terem conseguido se posicionar como performers, não oferecem um bom serviço aos alunos, visto que, provavelmente não possuem intimidade com a execução musical em público. Um professor atuante no mercado performático provavelmente trará dicas valiosas aos alunos sobre como executar sua música para outras pessoas. Veja se o professor possui algum tipo de portfólio ou website mostrando sua atuação artística. Acesse o meu clicando aqui.

Fuja de professores que ensinam vários instrumentos

Ser multi-instrumentista é muito legal. Ter a curiosidade de tirar diversos sons de diversas maneiras é muito importante na formação do professor. Entretanto, ensinar vários instrumentos pode ser problemático. Todo instrumento musical possui sua parte fácil e sua parte difícil. Um professor de música precisa dominar o seu instrumento de maneira plena. Alguns instrumentos possuem ampla afinidade entre si como piano, teclado e órgão; violão, guitarra e contrabaixo elétrico; saxofone e clarineta; entre outros. Pode ser que os professores tenham domínio sobre um ou dois deles. No entanto, muitos resolvem dar aula de vários instrumentos de organologias diferentes e, na verdade, não têm domínio pleno sobre nenhum deles. Consequentemente, o horizonte oferecido por esses professores será muito curto, além do maior risco de lesões, visto que, a falta de intimidade com o instrumento provavelmente causará problemas posturais que podem machucar.

Não aceite ser coagido a estudar um instrumento que não deseja

O professor sempre tem mil motivos para que alguém toque o instrumento que ele domina, afinal, normalmente, possui uma relação apaixonada com o objeto. Entretanto, não é uma postura ética tentar influenciar o desejo do aluno de tocar um ou outro instrumento, mas sim orientá-lo em sua escolha. Um professor competente tem compromisso com a satisfação do aluno, por isso, se preocupa em deixá-lo feliz com seu instrumento. Se o aluno não deseja tocar determinado instrumento não é saudável forçá-lo. Alguns alunos ficam confusos diante da escolha, são muitas as possibilidades e todas parecem divertidas e prazerosas. O professor competente deve saber orientar este tipo de aluno perseguindo o seu desejo, e não convencendo-o a tocar o instrumento que lhe convém.

Evite professores à moda antiga

Existe uma diferença entre ser conservador e ser antiquado. Muitos professores se dizem à moda antiga, mas, na realidade, assim se classificam, por não acreditarem que precisam se atualizar para manter a qualidade do ensino. Professores deste tipo normalmente forçam o aluno a tocar um repertório fora da realidade e  a seu gosto, não se preocupando com a satisfação do cliente. Além disso, por não se atualizarem, ficam à margem do mercado e não orientam os alunos sobre as novas tendências, tecnologias e oportunidades. Professores deste tipo já estão estagnados, consequentemente seus alunos também o ficarão.

A carreira de professor exige muito estudo e sabedoria para passar o conhecimento adiante com eficiência. Um bom professor precisa de muitas expertises e por isso, precisa estar sempre se atualizando e buscando melhores soluções para seus alunos. Procure sempre profissionais devidamente capacitados e tenha em mente que estudar um instrumento precisa ser divertido. O combustível para a continuidade é o prazer de fazer música. Lembre-se também que todo o instrumento oferece dificuldades: disciplina, estudo, dedicação e paciência também é necessário para alcançar os objetivos. Muita música para todos!

O professor pode ser um dos motivos pelo qual o aluno não cresce na música, mas o aluno também tem que ter responsabilidade com o estudo. Veja a postagem abaixo para mais informações:

Leia também:

Comentários

  1. Parabéns Mestre!
    Como sempre esclarecedor, pontuando áreas muitas vezes ignorada.

    ResponderExcluir
  2. Maestro, no final do texto do item "Avalie a atuação do professor como músico", faltou linkar o teu portfólio ou website.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah sim, muito obrigado. Está resolvido! :-)

      Excluir
    2. Parabéns Rafael, muito bom ler dicas importantes....na área da música então é ótimo.
      Como estão vocês.... saudades!
      Apareça quando você vir a Conquista.
      Abraços.

      Excluir

Postar um comentário

Deixe seu comentário

Inscreva-se

Postagens mais visitadas deste blog

20 dicas de como estudar o repertório do seu coral