Corais que rejo - Coro CBM-Tijuca - O Canto Coral em função do Instrumentista

Tempo de leitura:


O Conservatório Brasileiro de Música possui tradição no ensino de música no Brasil. São 82 anos de atividade e muitos talentos revelados. Possui convênios com várias escolas do país e, na Tijuca, funciona uma filial dedicada ao ensino básico, intermediário e de preparação profissional.
Muitos alunos, que fazem os cursos regulares oferecidos pela instituição, ingressam com facilidade na universidade e no mercado de trabalho. Fiz toda a preparação para ingressar na universidade aos 17 anos de idade no CBM e hoje tenho a satisfação de ser professor regente do coro. Foram muitos anos de preparação que valeram a pena. O coro, recém criado em função de uma reforma curricular, revela boas vozes e vem mostrando uma performance cada vez melhor. 
Ouça uma gravação de ensaio do grupo abaixo:




Sobre os cursos do CBM

No CBM-Tijuca, o coral se insere na grade curricular dos cursos de formação musical para adolescentes e adultos. Nos níveis básicos, o aluno estuda um instrumento de livre escolha e recebe aulas de teoria musical; nos níveis avançados, incluem-se as disciplinas de percepção musical e harmonia. Todos os cursos possuem prática de conjunto como matéria e o canto coral entra como uma das atividades de grupo.
Considero o coral uma atividade extremamente importante para o músico em formação, pois trabalha a musicalidade, cria a experiência de palco, possibilita o apuro vocal, facilita a expressão no instrumento, proporciona a interação entre os alunos, exercita o solfejo, dentre muitos outros benefícios. Características necessárias para o exercício da profissão que são decisivas no sucesso da carreira.

União e igualdade

Um aspecto interessante do Coro CBM-Tijuca é que, nas turmas de canto coral, mistura-se os alunos iniciantes com os experientes. Para cantar bem, não é determinante que o aluno tenha uma boa desenvoltura no instrumento. Essa realidade traz uma sensação de igualdade, dificilmente experimentada em outros ambientes, tornando o ensaio mais cooperativo, criando laços de amizade e, consequentemente, proporcionando um resultado musical mais apurado.
Como iniciamos do zero, pude observar relações se fortificando aos poucos e de maneira natural, conforme a atividade permite. Sempre explico aos alunos que o ambiente colaborativo é o segredo do sucesso de muitos grupos de música. Compreender e respeitar o próximo são fatores primordiais.  

Palco

Os alunos do CBM-Tijuca, a cada semestre, são avaliados por uma banca pela performance no instrumento e se apresentam no auditório da sede, no centro do Rio de Janeiro.
Para o músico iniciante, lidar com o palco pode ser muito difícil. São muitas variáveis e qualquer erro pode desestabilizar tudo. A música é uma arte do tempo: a reação ao erro precisa ser rápida e precisa.
O canto coral é excelente para ensinar a lidar com estes momentos. Tendo o regente à frente, o cantor fica mais seguro, além disso, os colegas também oferecem suporte pois, ao errar, o cantor sabe que algum deles pode segurar as pontas. Toda essa dinâmica ajuda na relação com o tempo, e vai dando reflexo ao aspirante para superar as crises. Ao experimentar momentos críticos no canto coral, o instrumentista aprende a reagir aos erros no instrumento e, com o tempo, encontra sua forma individual de superar possíveis reveses em apresentações.

Expressão musical

Considero a voz o primeiro instrumento do homem. Acredito que o músico que não consegue definir o contorno melódico de um trecho pelo canto, dificilmente conseguirá em seu instrumento e, mesmo que o faça, dificilmente será claro para o professor se, realmente, aquilo que o aluno tocou, é o que queria tocar.
Um dos meus professores sempre me perguntava como eu desejava realizar determinado trecho. É uma arguição comum numa aula de música: "canta pra mim tal trecho".  Nunca me esqueço que, em em uma aula de didática no IFCS-UFRJ, num determinado, momento cantei uma melodia folclórica: todos olharam para mim com espanto: "cantando na aula?? O que é isso?? Ora! Isto é a coisa mais normal nos cursos de música - pelo menos deveria ser!
Definitivamente, não acredito que alguém possa tocar algo que não cante, não com toda a consciência musical que precisa ter e, sinceramente, tenho muitas dificuldades com alunos que não conseguem expressar pela voz aquilo que querem imprimir no instrumento.
Na minha experiência, percebi que os alunos mais musicais possuem boa expressão vocal e se, muitas vezes não conseguem ir além, é por falta de técnica vocal. Gosto de pensar nas atuações de Keith Jarret e Glenn Gould nestes momentos, pois para eles a melodia é tão forte que o instrumento não é o suficiente para imprimi-la, é necessário cantar enquanto toca, talvez para reforçar a intenção melódica. E não precisa ser aquele canto de voz lírica, super apurado, mas algo natural e autêntico, que mostre interação com o instrumento.
O canto coral tem função primordial neste momento: na atividade, o aluno canta melodias o tempo inteiro. O maestro competente mostra pela voz a sua intenção melódica e cabe ao pupilo repetir da mesma forma. Essa troca é fundamental para o crescimento do aluno, pois oferece um arcabouço de melodias criadas por alguém mais experiente que, posteriormente, poderá se aplicar ao instrumento.
Música é experiência: quanto mais tiver, melhor fará; logo, o canto coral é pilar neste quesito.  
    

Apuro Vocal

Se o canto é a principal forma de demonstração musical, o apuro vocal, por sua vez, é um aprimorador importante. Em muitos casos, o instrumentista possui uma ideia da intenção musical que pretende, mas não consegue trazê-la para a voz por falta de técnica. Isso é importante quando se trata de um aluno, pois o mesmo precisa mostrar ao professor o que quer. O canto coral não é uma aula de canto individual, mas um ótimo recurso para o aprimoramento vocal, especialmente para iniciantes. Confesso que cantei muito mais em coro  do que em aulas individuais. Sempre tive um acompanhamento em técnica vocal que garantiu o apuro vocal necessário. Por isso, busco orientar os alunos mediante a técnica da melhor forma possível.
Quando temos um bom apuro vocal, conseguimos contornar melhor a melodia e, consequentemente, conseguimos imprimi-la ao instrumento com mais esmero. Além disso, o canto sem técnica pode ser prejudicial à saúde vocal e acarretar problemas futuros.

Percepção Musical

Os alunos de níveis intermediários e avançados dos cursos regulares do CBM-Tijuca possuem, na grade, a disciplina percepção musical. Esta disciplina consiste em perceber a música, conseguir escreve-la, identificar padrões melódicos e harmônicos, e outros aspectos musicais, pela escuta. De maneira inversa, também são exercitados aspectos de leitura musical, como o solfejo.
Solfejar é ler um trecho musical e traduzir em música pelo canto. Muitos alunos possuem dificuldades em solfejar pela falta de intimidade com a própria voz.  Muitas vezes, eles sabem como as melodias são, mas as limitações vocais impedem de conseguir fazê-la.
Também, na percepção, trabalhamos o ditado, onde devemos ouvir uma música ou um trecho musical e passar para o papel. A melhor maneira de fazer um ditado é decorando a melodia proposta e repetir, pelo canto, diversas vezes até definir os intervalos e ritmos no papel. Vejo constantemente alunos com dificuldades em ditado simplesmente porque não possuem a capacidade de cantá-los para si mesmos.
Sob esse prisma, o canto coral atua como elemento fundamental para o desenvolvimento das capacidades básicas para uma boa percepção musical.

Participe do Coro CBM-Tijuca

O Coro CBM-Tijuca ensaia nas terças às 19:00 facultando ao cantor atuar nos dois dias, ou apenas em um. Não há pré-requisito para participar do grupo, podem integrar cantores iniciantes, intermediários e avançados e existem grupos reduzidos para trabalho com desafinados. Não precisa ser aluno de instrumento do CBM.

Veja uma gravação do ensaio do Coro CBM-Tijuca e conheça o seu som:




Fique à vontade para um ensaio experimental.

Gostou da postagem? Compartilhe com alguém que tenha interesse no assunto. Inscreva-se no canal e receba atualizações por e-mail.

Comentários

  1. Muito bom artigo, Maestro! Como ex-aluna de piano, lembro-me de como a prática do Canto Coral é uma ótima ferramenta no aprendizado de Música, treinando solfejo, harmonia, percepção musical, entre outros.

    ResponderExcluir
  2. Muito legal o post, e muito bom participar dos Corais CBM! Gratidão Maestro :)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe seu comentário

Inscreva-se

Postagens mais visitadas deste blog

20 dicas de como estudar o repertório do seu coral