Por que a sua escola precisa de um coral?

Tempo de leitura:

Sabia que sua escola pode se beneficiar com a implantação de um coral? Hoje é dia do professor e de falar sobre educação musical na escola pelo canto coral.

O canto coral na escola

A troca de conhecimento sempre existiu na humanidade. Muitas instituições foram criadas para esse fim. O formato escolar que conhecemos hoje, com crianças sentadas em carteiras, horários regulares e disciplinas distribuídas em um currículo progressivo, surge na virada do século XIX para o século XX. O canto sempre esteve presente como uma importante atividade das disciplinas ligadas à música. A música, por sua vez, é inerente ao ser humano e o canto é a primeira maneira de expressar melodicamente. Por isso tem grande importância dentro da escola.

A música se justifica por si mesma

Importante compreender que a música basta por si mesma. Ela não precisa se justificar por outras disciplinas, ela é uma disciplina. Todos os povos do mundo fazem música e através dela obtemos características importantes do perfil étnico de cada povo. A ausência da música de qualquer currículo escolar impossibilita o reconhecimento cultural pois destrói as condições para a construção de traços sensíveis da identidade de cada estudante, e de sua comunidade.
É pela música que muitas pessoas se expressam e é através da música que transmitem seus afetos. Segundo estudiosos da pré-história, um dos principais traços evolutivos da espécie humana é o afeto. O afeto que nos faz proteger um ao outro, que fortalece os nossos laços, que nos faz viver pacificamente em sociedade e que nos faz seres humanos. Uma escola sem música é uma escola sem um importante traço do afeto. Uma escola sem afeto é uma escola insensível à necessidade humana de cada aluno. O afeto é inerente ao ser humano, intrínseco à sua alma. Filósofos como Platão e Aristóteles consideram que a alma é a parte que "anima" o homem. Shopenhauer, Nietszche e Freud dizem que a alma se manifesta na consciência. Um homem sem alma é incompleto. Uma escola sem música é uma escola sem parte de sua alma, portanto, incompleta.

A escola como elemento essencial de transformação

Assim como uma mãe acalenta, alegra e anima seu filho cantando, é necessário que uma escola cante para sua comunidade atingindo os afetos mais primitivos da espécie humana, agindo como orientadora  da construção da identidade social de sua comunidade. Uma escola que usa a música consegue atuar na transformação do ser humano com mais eficiência, visto que é sensível às suas necessidades afetivas.
A escola não pode impor determinadas músicas aos seus alunos. As experiências proselitistas geraram maior ojeriza dos alunos pela disciplina e a tornou doutrinadora. Vide os exemplos do movimento orfeônico e da famigerada moral e cívica da ditadura militar.
Uma escola libertadora ouve a necessidade expressiva de seus alunos e os orienta para um bem comum. Por isso, o repertório deve partir da realidade cultural do aluno e da comunidade. Sabendo lidar com a diferença, a escola atua como direcionadora para a prática artística agregadora.
Conduzindo com respeito e afeto, o choque cultural entre as diferentes personalidades da escola se torna mais ameno e o fazer musical flui naturalmente, criando um ambiente enriquecedor para todas as partes pela troca cultural, favorecendo o novo e construindo uma identidade cultural escolar. O canto coral é uma das ferramentas que torna os benefício desse choque possível. É nele que os alunos se expressarão, trarão ideias, mostrarão seus afetos e serão afetados. A escola precisa ser como a sopa de nutrientes que favoreceu a vida na terra. A escola precisa ser a sopa cultural que transforma a vida de seus alunos.

Projeto pedagógico

O canto coral é peça fundamental no projeto pedagógico de uma escola. É no coral que a escola mostrará, pela música, a sua identidade cultural. A apresentação do coral é a prova real da transformação que a escola possibilitou na vida dos alunos e na construção da identidade de sua comunidade. Por isso, um projeto pedagógico jamais deve ignorar a música e jamais deve deixar de pensar no coral como o momento de comunhão entre todos os departamentos da escola. Se, nesse momento, uma escola consegue unir todo o seu corpo: alunos, professores, funcionários, comunidade; e todo esse corpo é de alguma forma afetado, aí sim percebe-se que a escola construiu uma identidade. Se a escola não consegue fazer isso, significa que ainda não descobriu a sua alma. Uma escola nunca pode deixar de ter alma, pois, sem ela, é uma escola sem afeto. Uma escola sem afeto, repito, não consegue atuar como elemento transformador de uma sociedade.

Estimulando as vocações

A escola precisa ser a maior estimuladora das vocações de seus alunos. Para isso, precisa ensiná-los como olhar para dentro de si e descobrir-se. Conhecer o íntimo é uma missão de vida. Psicólogos, psicanalistas, religiosos, sociólogos, filósofos calcam seus estudos sempre na intimidade da humanidade e todos, de alguma forma, concordam que o afeto nos move (nos anima, pois faz parte de nossa alma). Por isso, insisto: é pelo afeto que o aluno irá se descobrir. Uma escola que não investe em afeto, não consegue um aluno de sucesso, pois ele demorará mais para encontrar a sua vocação.

Autoestima

Muitas vocações são reprimidas pelo simples fato de achar que fazer determinada atividade é “pagar mico”. Dessa maneira, a arte atua de forma preponderante. De uma forma ou de outra, a necessidade de estar em evidência se manifesta no ser humano. Estudiosos dizem que sentimos prazer ao sermos vistos e ouvidos. Por isso, a escola precisa assumir essa responsabilidade, compreendendo que a autoestima depende do fator “aparecer”. Estimular as vocações artísticas protege os alunos e a comunidade de outras maneiras de se colocar em evidência como o bullying, atitudes violentas, o uso indevido de objetos fálicos como carros, motos, armas e a erotização precoce, por exemplo. A arte leva a mente para territórios onde essas atitudes se tornam o “mico” e a arte atinge uma condição elevada. Uma escola que não investe em arte, na realidade está investindo nas maneiras perniciosas do ser humano pôr-se em evidência.  

Trabalho em equipe

Onde mais o aluno irá aprender a trabalhar em equipe senão na escola? Educamos para a vida. Cedo ou tarde, o aluno entrará no mercado de trabalho, e sua vida será um imenso trabalho em equipe. As relações empresariais, familiares, até mesmo de cooperação entre autônomos exigem uma expertise no lidar com o outro e na construção de algo em conjunto. O canto coral funciona como um laboratório da vida real. Se um aluno não é capaz de lidar com a construção cultural de sua classe, será que vai ser capaz de construir a cultura de uma empresa, de sua casa, de seus pares? Isso vai muito além da escola, é essencialmente a relação humana básica e primitiva. 

Igualdade

Um ponto essencial do coral é que a voz não carrega um status. Todas possuem qualidades próprias, portanto, o canto coral é o exercício do trabalho em conjunto dentro da igualdade. Buscamos um bem comum com o mesmo instrumental: a voz. Diferente das orquestras e bandas: onde cada instrumento, às vezes pelo valor de mercado, dá algum status ao aluno. Já presenciei casos em que alunos que tinham instrumentos de menor valor, por não terem condições de comprar um mais caro, foram ridicularizados por outros. Uma escola precisa estar atenta a isso e buscar mecanismos de educação igualitária entre os alunos. Isso aumenta a empatia entre os alunos e evidencia aqueles que alcançam o sucesso por mérito.

Educação vocal

Um bom orador passa credibilidade. Por isso, investir na maneira como o aluno se comunica desde cedo é fundamental. A maneira como falamos, dependendo do local, pode nos qualificar ou desqualificar. A habilidade de lidar com isso chama-se eloquência. Educar para a diversidade é fundamental nessa hora, de modo que o aluno saiba como se portar e se expressar em qualquer ambiente. O canto coral lida diretamente com o aparelho vocal, melhorando a oratória do aluno e possibilitando o contato com o adverso a partir do choque de culturas. Atuar em um coro pode ser um importante diferencial para a vida profissional.

União

O exercício da igualdade no canto coral revela vocações e o contato com o íntimo revela afinidades. O surgimento de verdadeiras amizades dentro do coral, algumas até coloridas, é comum. O trabalho em conjunto favorece a formação de outros grupos. Bandas, grupos de samba e pagode, grupos de pesquisa, grupos de produção fonográfica, grupos de todos os tipos. Vejo constantemente os talentos sendo descobertos e divididos nas amizades que surgem no canto coral. Essa troca é a sopa cultural que a escola precisa prover e um importante trunfo para atuar como elemento transformador da sociedade.

Nunca é tarde para começar

Está há muito tempo na educação e nunca tinha atentado para isso? Sem problemas. Nunca é tarde para começar. Afinal, como mudar uma sociedade sem transformar a si mesmo? A essência não está em saber música ou não para usá-la a favor da escola. É necessário conhecer o ser humano. Inclusive, muitas escolas de música não conseguem compreender isso, e permanecem sem alma, pois não conseguem admitir a função transformadora da educação, mesmo tendo a ”faca e o queijo” na mão. Essas ideias servem para qualquer um que atue na educação, seja um instrutor que ajuda na educação mais básica até o reitor de uma instituição de ensino superior. É sempre importante lembrar que estamos lidando com seres humanos, não com máquinas que precisam sair prontas para apertar parafusos sem pensar.

Gostou do texto? Deixe um comentário! 
Precisa de orientação sobre a implantação de um coral em sua instituição de ensino? Entre em contato por e-mail: maestro@rafaelcaldas.com.br

Comentários

  1. Muito bom maestro. Na minha prática pedagógica procuro utilizar a música. Começando pelo que interessa aos alunos e com o tempo inserindo canções que eles não tem contato, ainda bem sempre com êxito. Costumo perguntar: "Já que vou escutar o que vocês gostam, que tal também conhecer o que eu escuto?"
    Um abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É muito importante conhecer a realidade dos alunos antes. Assim consegue saber a cultura que está neles. Boa estratégia!

      Excluir
  2. Gostei muito !!! É muito importante para todos que a música faça parte da vida de cada um. Acredito que um dia ainda iremos ter um Brasil em que tenha coral em todas as escolas !!!😊

    ResponderExcluir
  3. Texto magnífico.
    Triste que medidas,como esta s , não sejam abraçadas pelo estado.
    Mas, poderia partir da população.Quem sabe,por meio dos pais conscientes.
    #Quero coral na escola do meu filho ou neto.
    😃😄

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim. A demanda é tudo. Se os pais pedirem, uma escola atenta fará o possível para atender. Mas para isso, necessitamos de pais conscientes.

      Excluir
  4. Excelente texto maestro ! Quantos temas importantes abordados : canto, alma, afeto, vocação, autoestima, trabalho em equipe, igualdade...Todos e outros mais, muito importantes para o crescimento do ser humano.É muito importante a conscientização de todos, principalmente do corpo docente e dos pais. Precisamos divulgar a importância da musica !! Um abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Conhecer a música e toda a sua profundidade é importante pra todos. Obrigado pelo comentário!

      Excluir

Postar um comentário

Deixe seu comentário

Inscreva-se

Postagens mais visitadas deste blog

20 dicas de como estudar o repertório do seu coral