10 hábitos do cantor de coro iniciante que parecem que ajudam, mas só atrapalham

Tempo de leitura:

O cantor de coro precisa ser proativo e buscar métodos próprios para lograr o sucesso. Entretanto, alguns hábitos podem prejudicar mais do que ajudar. Por isso, a postagem de hoje é sobre hábitos que o cantor iniciante desenvolve que mais atrapalham do que ajudam.

1. Cantar junto com o maestro

Entender uma música parte do ouvir. A primeira atitude precisa ser uma escuta atenta do exemplo musical proposto. O ouvido interno é mais forte do que o externo. Ouvimos nossa voz de maneira muito mais intensa que a do outro. Quando cantamos ao mesmo tempo que o maestro, deixamos de ouvir o exemplo de maneira completa, pois nossa própria voz interfere na escuta. Portanto, se você tem o hábito de cantar junto com o maestro, abandone-o, pois, ele lhe atrapalha. Ao contrário do que o ditado diz, o maestro canta sim. E muito! Por isso, ouvi-lo primeiro é fundamental para uma repetição acurada.

2. Trocar a partitura pela letra

Quando um cantor iniciante pega a partitura e aquilo não faz nenhum sentido para ele, a sensação comum é o desespero. Alguns, quando não orientados corretamente, chegam a desistir da prática. Em muitos casos, é natural a substituição da partitura pela letra. Alguns maestros, inclusive, trabalham com letra ao invés da partitura, para conter baixas no coro. Eu, educador que sou, nunca abro mão dela. Acredito que, se estamos fazendo música, devemos fazer uso dos materiais da própria música, e isso inclui a partitura. A mesma, por sua vez, conforme o cantor a utiliza, transforma-se em um gráfico onde o subir e descer das bolinhas, a proximidade entre as notas, as barras de ligação, as entradas das vozes, e outros elementos, trarão a ideia do contorno melódico. Essa relação só acontece com a prática. Ao substituir a partitura pela letra, o cantor só atrasa o seu aprendizado. Se, mesmo com a prática, a dificuldade de acompanhar a partitura continuar, considere frequentar aulas de teoria, leitura musical e/ou ritmo e som.

3. Tentar ler as notas durante o ensaio

Em grupos iniciantes, o maestro canta e o coro repete. Não precisa saber o nome das notas para isso. A partitura é um mero suporte gráfico onde o cantor acompanha a melodia pela subida e descida das bolinhas na partitura. Alguns cantores, que sabem identificar as notas no pentagrama, tentam ler nota por nota na partitura. Isso é uma enorme perda de tempo e de atenção no ensaio! O processo de solfejar é completamente diferente de pegar uma melodia de ouvido. Quando o cantor não sabe fazer, basta acompanhar a letra da música que fica embaixo das notas e acompanhar o sobe e desce das bolinhas para perceber o contorno melódico. E isso, para muitos, já é bastante coisa.
Deixar para ler as notas apenas no ensaio é ruim até para quem tem alguma noção de solfejo visto que, se o grupo faz uso do solfejo no ensaio e o mesmo não é pleno, é necessário que faça esse reconhecimento no estudo em casa, para que não fique "catando milho (notas)" durante o ensaio.

4. Ouvir gravações diferentes do arranjo proposto

Grupos corais iniciantes normalmente cantam arranjos de música popular que estão no dia a dia do cantor. Fazer uso desse repertório é fundamental para que o cantor se sinta mais seguro no coro, visto que a familiaridade com este repertório é maior. Entretanto, há um grande perigo nisso: as plataformas de streaming de música (YouTube, Spotifty, Deezer) estão infestadas de diversas versões da mesma música com diferentes arranjos que nem para coro são, afinal, muitas não foram concebidas para essa formação. Ouvir determinada versão de uma música que seja diferente do arranjo que o coral está fazendo, por gosto ou por curiosidade, não é nenhum crime, na verdade, pode ser enriquecedor, mas, usá-la como principal material de estudo é uma perda de tempo. O arranjo coral possui uma dinâmica própria e específica, por isso, o ideal é usar o material proposto pelo maestro.

5. Ir ao ensaio apenas para ouvir

Para o maestro, a voz é como um diamante bruto que só pode ser lapidada se o cantor bota a voz para fora durante o ensaio. Sem isso, o maestro não tem o que fazer. Esqueça a ideia de chegar no ensaio apenas para assistir. O maestro precisa ouvir sua voz para poder lhe orientar. Não aprendemos a cantar apenas ouvindo, aprendemos também cantando.

6. Cantar fraco (cantar baixinho)

Alguns cantores iniciantes, por timidez, cantam bem fraquinho por medo de se expor. Por incrível que pareça, cantar fraco ou sussurrar exige mais esforço vocal do que cantar forte, portanto, se feito sem consciência, aumenta o risco de lesões. A voz precisa de uma pressão ideal para que tenha a sonoridade correta. Portanto, solte-a! 

7. Fazer solo em coro - cantar sem ouvir as outras vozes

Uma das dificuldades maiores dos cantores iniciantes é cantar a mais de uma voz. O ouvido leigo foca mais nas melodias principais. Por isso, uma tendência natural é cantar mais forte para tentar abafar as outras vozes. Essa prática não é aconselhável: primeiro porque não vai abafar as outras vozes, segundo porque irá exigir mais esforço vocal, favorecendo lesões, terceiro, porque a ideia do coro é que soe uníssono, por isso, uma voz se destacando entre as outras, quando não é um solista, não é desejável. O equilíbrio está em ouvir a si mesmo e aos outros na mesma intensidade.

8. Tapar os ouvidos

Ouvido não tem pálpebra! Não adianta tapar os ouvidos. Você vai ouvir a outra voz de qualquer forma. A questão é cognitiva. É necessário aprender a cantar sua voz ouvindo a outra. Na realidade, um coro só afina quando chega nesse estágio. A ideia é combinar as vozes, e não cantar cada um por si.

9. Sentar atrás

Alguns cantores, por timidez ou insegurança, procuram os lugares mais distantes do maestro. Isso é um reflexo natural do ser humano que representa fuga e serve para se esconder. Essa atitude só piora o rendimento. O local ideal para o cantor iniciante sentar é na frente dos bons cantores e o mais próximo possível do maestro. Assim escutará os melhores exemplos diretamente no ouvido e estará mais acessível ao maestro.

10. Faltar aos ensaios por saber tudo

Alguns cantores possuem muita facilidade e tendem a aprender rápido. Daí, a partir do momento que já sabem a música, começam a faltar aos ensaios. Isso prejudica o andamento do trabalho, pois, o bom exemplo é necessário para o cantor iniciante e a presença do bom cantor lhe dá mais segurança. Portanto, no conjunto, o cantor que possui mais facilidade precisa assumir uma postura de liderança, de modo que estimule os outros a crescer. O início de todos é difícil, sempre precisamos do bom exemplo para seguir, mas, para isso, o bom exemplo precisa estar lá.

E aí, gostou das dicas?! Se inscreva no canal para receber as atualizações por email.
Quer contribuir de alguma forma? Deixe um comentário!

Comentários

  1. Dicas interessantes para os iniciantes. Eu já frequento corais desde nova e percebo mt essas atitudes nos novatos!
    Parabéns maestro Rafael !

    ResponderExcluir
  2. Parabéns, Caríssimo! Sempre aprendendo com quem sabe! Obrigado pelas dicas.

    ResponderExcluir
  3. Excelente. Vou tentar seguir estes conselhos.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe seu comentário

Inscreva-se

Postagens mais visitadas deste blog

20 dicas de como estudar o repertório do seu coral