Resenha Coral - O Täler weit, o Höhen - Folclore e Canto Coral

Tempo de leitura:


Ó Vales, ó Alturas é a tradução do início da poesia do escritor romântico alemão Joseff von Eichendorf com o título Abschied vom Walde, em português, Adeus a Floresta.
A resenha de hoje é sobre música popular e folclórica para coro a partir de um álbum coral alemão.

Berliner Mozartchor

Em tradução literal, Coro Mozart Berlinense. Fundado em 1932 em Berlim, consiste de vozes infantis e juvenis com foco em músicas tradicionais alemãs. Não se trata de um coro infantil, mas de um coro misto composto por vozes jovens, daí a sonoridade leve.

Ouça o disco no spotify ou no deezer:


  


Folclore alemão
Ao pesquisar os termos Volksmusik, Volkstümlichmusik e Folklore, encontraremos inúmeras gravações de diversas canções alemães em belos arranjos para coro, figurando compositores de envergadura do romantismo como Johannes Brahms, Franz Schubert, Felix Mendelssohn, Max Reger acompanhados de compositores da renascença como Heirich Isaac, Michael Praetorius, Hans Leo Hassler  e muitos outros.
Isso ocorre pois a Alemanha, junto com a Itália, foi pioneira no ideal nacionalista como unificador étnico. Este pensamento busca nas raízes da cultura popular o sentimento de nação. Por isso, canções populares, folclóricas e, no caso das nações com histórico cultural durante o renascimento e iluminismo, a volta aos mestres da música antiga, são alvo de pesquisa de músicos e musicólogos nacionalistas.
Um exemplo é o surgimento da figura mestra de J. S. Bach que, esquecido durante dois séculos, foi ressuscitado por Mendelssohn durante o movimento romântico alemão. Interessante observar que o mesmo ocorrera com Schubert, que, por ser um dos primeiros românticos, ainda não fora alvo dos primeiros estudos musicológicos. É justamente por isso que encontramos muitos lieds de Schubert para voz e piano, outra formação comum de música folclórica alemã.

Folclore

O termo folclore é alvo de pesquisa desde que a musicologia existe. Sua definição é complexa e, na maioria dos casos, como diz o pesquisador José Miguel Wisnik, um convite ao erro. Isso ocorre pois existe toda uma conjuntura diversificada que envolvem fatores como etnia, cultura, nacionalismo, regionalismo, antiguidade e muitas outras variáveis  que definem o termo de acordo com local/tempo em que a manifestação cultural se encontra. Para cada caso é necessária uma investigação criteriosa que facilmente pode cair em contradição.
Entretanto, algumas regras gerais tendem a ser mais aceitas:
O folclórico normalmente não possui autoria, é passado de geração em geração e se modifica paulatinamente. Um exemplo clássico neste sentido é a canção folclórica brasileira "cai cai balão". Observe quantas variações de letras a música possui e mesmo assim não deixa de ser o cai cai balão tão conhecido no Brasil. Esse fenômeno é comum em músicas de tradição oral, que facilmente são modificadas de maneira espontânea.
Outra regra geral é atribuir o folclórico às músicas cunhadas no ambiente rural e o popular às músicas cunhadas no ambiente urbano. Esta definição é problemática e pode cair em contradição facilmente dependendo da região que se encontra. A definição de cidade e campo é muito relativa e, dependendo dos espaços, a troca entre as pessoas de ambos os lugares é constante. Por isso, avaliar caso a caso é necessário. Além disso, com o crescimento urbano, muitas zonas rurais passaram a ser cidade. Por isso, muita canção folclórica brasileira concebeu-se em Realengo, Campos dos Goitacazes, Mogi das Cruzes e outros lugares que hoje são urbanizados e, no passado, não eram.

Cultura indissociável do Canto Coral

Durante o século XIX surge a escola e, junto com ela, a classe operária, oriunda da Revolução Industrial. Os dois âmbitos necessitavam de atividades  culturais nacionalizantes. Nesta conjuntura, o canto orfeônico surge, primeiramente na França, como atividade socializante, educativa, cívica e recreativa.
As canções folclóricas normalmente falam sobre a beleza da vida, a fé em Deus, a nobreza do trabalho e o amor à terra. Não existiam muitos direitos trabalhistas e uma lavagem cerebral era necessária para conter possíveis revoltas. Qualquer analfabeto pode cantar, logo, o canto orfeônico, embora muito bonito, tinha funções mais perversas: incutir axiomas na sociedade pela arte. Estratégia utilizada até hoje para dominação e alienação.

O Álbum

O Täler weit, o Höhen traz uma seleção de canções folclóricas e populares alemãs em arranjos feitos por compositores renomados como Johannes Brahms, Felix Mendelssohn, Franz Schubert, Friedrich Silcher, Max Reger e arranjos tradicionais sem autoria definida.
Chama atenção o timbre igualado das vozes e  a fluência no texto recitado com dicção clara. Um belo exemplo de interpretação de música folclórica, sem muitas bufonarias e malabarismos. Apenas um momento de lazer com belas poesias em lindas harmonias.
As temáticas variadas trazem um mundo encantado que só o folclore pode evocar.
Em Abschied vom Walde (O Täller weit, o Höhen) fala-se sobre a despedida da floresta. Uma cena bucólica é desenhada evidenciando que todos os problemas mundanos, na floresta, não existem e, nela, podemos nos afastar de todos os males.
Dar du min leevsten büst fala sobre um amor proibido. Trata-se de um convite ao companheiro para uma visita na calada da noite, enquanto os pais estão dormindo.
A canção Es sass ein klein wild Vögelein fala sobre o canto de um pássaro selvagem durante o inverno. Dá para sentir frio nórdico enquanto aprecia-se a beleza do canto de um pássaro.
In stiller Nacht de Brahms outra ideia é apresentada: numa noite sem canto de pássaros, ouvimos o vento, sentimos o coração em tristeza, mas ao ver a lua e as estrelas brilhantes todos os sentimentos ruins acabam.

O legado nazista

Na música folclórica alemã estão contidas diversas características da relação humana que são comuns às diversas etnias e nacionalidades. Por isso, o tratamento fenomenológico é parecido com o de outros países ocidentais, inclusive o Brasil.
Por ser um país central na Europa, a troca cultural é determinante para riqueza de seu cancioneiro. Além disso, é neste mesmo local que a musicologia surge, trazendo um rigor acadêmico maior às pesquisas.
Muitos alemães sentem vergonha deste repertório, pois foi amplamente utilizado para promoção do nazismo. Porém a temática das obras são singelas e despretensiosas. Sequer enaltecem algum tipo de governo. Além disso, foram compostas muito antes de Hitler. Por isso, esta questão já vem sendo superada. Cabe ao ouvinte extrair das músicas a intenção estética sem a preocupação histórica.

Tem algo que queira dividir? Deixe um comentário. Inscreva-se no canal para receber notificações por e-mail.

Comentários

Inscreva-se

Postagens mais visitadas deste blog

20 dicas de como estudar o repertório do seu coral