Guia Rápido do Aplauso - 10 Dicas para não errar a hora de aplaudir em um concerto

Tempo de leitura:


Hoje em dia, pelo pouco contato com a música erudita, as pessoas têm dificuldades em acompanhar um concerto. Uma das situações mais comuns é a incerteza do momento certo de bater palmas.
Todos sabem que existem regras de etiqueta que regem a maneira de se portar, mas, quando não temos os códigos da narrativa musical construídos, as normas se tornam difíceis de cumprir e a vergonha alheia atemoriza.
Normalmente, as músicas de concerto possuem mais de um movimento. Esses movimentos funcionam como cenas de um filme. As cenas mudam, mas não significa que a narrativa tenha acabado. Não temos o costume de aplaudir a troca de cenas de um filme, por mais sensacionais que sejam (tudo bem, algumas pessoas aplaudem), mas se isso ocorre no cinema, trata-se de uma gafe. Num concerto também.
A salvação é que a maioria dos músicos gostam de ser reverenciados, daí, aplaudir nunca é demais. Entretanto, demonstrar um pouco de cultura é chique.
Dividir um espaço onde outros estão interessados em ouvir música é complicado. Qualquer ruído pode arruinar a experiência de alguém e gerar situações desconfortáveis. Além disso, é necessário respeitar a concentração do artista.
Ir ao concerto é um ato social, por isso, algumas regras de etiqueta precisam ser seguidas, sendo fundamentais para a boa interação entre as pessoas que estão compartilhando o ambiente.
Alguns costumes já estão ultrapassados, visto que surgiram em ambientes de nobres cuja maneira de lidar era diferente dos dias de hoje. De qualquer forma, ser cortês nunca é demais e, como diz o velho poeta: “gentileza gera gentileza”.

Vamos às dicas:

1. Leia o programa

Normalmente, em um concerto, existe um aparato escrito que chamamos de programa. Alguns parecem uma revista, outros parecem um folder, alguns são um pequeno pedaço de papel. Antes do evento começar, dê uma olhada no programa e veja a ordem de apresentação das músicas. Isso lhe dará uma noção de quantos movimentos as obras possuem e os momentos que os aplausos são bem vindos.

2. Conheça a forma da música

Ao escrever uma música, o compositor precisa traçar um plano e um dos pontos fundamentais do projeto é a forma. Traçando a forma, o compositor consegue planejar melhor a sua narrativa e fazer o ouvinte entender o objetivo de sua música.
Toda música tem forma. Conhecendo as formas tradicionais, o ouvinte terá mais segurança no momento do aplauso.
As formas mais comuns são a suíte, que trata de um conjunto de danças e que pode variar de acordo com a narrativa do compositor; a sonata, que possui de dois a quatro movimentos e é a forma das sinfonias, das sonatas e dos concertos clássicos e românticos; existem também as músicas descritivas como os poemas sinfônicos, que tratam de um tema específico e, assim como as suítes, a quantidade de movimentos pode variar. A partir do período romântico, a própria suíte obtém um novo olhar e o termo passa a ser utilizado para denominar obras descritivas com diversos movimentos.
Reforçando a dica 1: leia o programa antes e durante o concerto. Normalmente, as informações sobre a obra estão nele, bem como a divisão dos movimentos.

3. Escute a obra antes de ir ao concerto

Hoje em dia, com o streaming de música tudo ficou mais fácil. Não custa ir à sua plataforma favorita para ouvir a obra e ter alguma ideia de como é, antes do concerto. Na falta de tempo, vá ao fim da música e ouça como ela termina. Isso evitará constrangimentos nos momentos de aplauso.

4. Observe os gestos do maestro e/ou dos músicos

O maestro competente também rege seu público. Normalmente, os regentes fazem um gesto mais exagerado mostrando que é o fim da música, seguido de um relaxamento do corpo como o do encerramento de uma maratona. O conjunto de músicos, por sua vez, respondem a este estímulo reciprocamente, mostrando à plateia o momento de aplaudir.
Não é conveniente que o maestro vire para a plateia antes de ser aplaudido, entretanto, nos casos em que os aplausos não se sucedem, não lhe resta outra opção.

5. Ópera e Balé

Na ópera e no balé, é conveniente aplaudir entre os atos e nas cenas de maior virtuosidade técnica. Não tenha vergonha de bater palmas nesses momentos. Os artistas, dependendo da cena, para manter a dramaticidade, não agradecerão, mas acredite, eles ficam muito orgulhosos com isso.

6. Missas

Nos concertos em que missas são cantadas, a forma é o ordinário da missa. Conhecer a ordem dos cantos da missa é uma vantagem nessa hora. Kyrie, Gloria, Credo, Sanctus e Agnus Dei, são eles. Aplaudimos apenas no fim do último movimento. As missas podem durar de dez minutos a duas horas, dependendo do compositor. Conhecer o texto em latim do ordinário da missa pode ajudar a não se perder na música.

7. Cantatas e Oratórios

As cantatas e os oratórios podem variar na quantidade de movimentos, tamanho e duração. São obras cantadas com temas bíblicos. O oratório trata normalmente de uma estória bíblica como os casos da Crucificação de Cristo, da anunciação de Nossa Senhora, do Natal e outras situações. Importante conhecer a estória bíblica tratada na cantata e no oratório e ficar atento ao programa.
Algumas cantatas e oratórios possuem uma introdução e, a mesma, pode ter o nome de prelúdio ou sinfonia (sim, o mesmo nome dado às sinfonias clássicas em forma sonata, mas, nesse caso, trata-se de uma mera introdução). As óperas e alguns poemas sinfônicos também podem possuir prelúdios.
É conveniente aplaudir apenas no fim das cantatas e dos oratórios.

8. Conheça os termos musicais ligados ao canto

Nas óperas, missas, cantatas e oratórios, alguns termos são importantes para definir em que momento do concerto estamos. As árias são movimentos dedicados a evidenciar uma ou mais vozes específicas. Trata-se de um solo vocal com lirismo e virtuosidade técnica. Os recitativos são momentos narrados ou de diálogos mais ligeiros entre os cantores. Os coros são os momentos em que todo o coral canta.
Nos momentos de desorientação, observar a maneira que os cantores atuam e associar aos atributos da música em execução pode ajudar a se localizar.

9. Formas barrocas

O período barroco abrange várias formas.
O concerto grosso, onde diversos instrumentos são solistas, é uma das formas mais utilizadas no período. Compositores como J. S. Bach, Antonio Vivaldi, Telemann escreveram bastante nessa forma. Normalmente, o concerto grosso tem três ou quatro movimentos.
O prelúdio e fuga também é uma forma característica do período barroco, especialmente na obra de J. S. Bach para teclas. Normalmente, possuem apenas dois movimentos.
O termo sonata também é usado no período barroco, mas apenas para designar um som, som no sentido que os músicos de hoje dão ao dizerem: "vamos fazer um som". A quantidade de movimentos varia bastante de obra para obra. Depende muito do compositor.
A suíte normalmente está ligada a um conjunto de danças para a animação de jantares e de convivência social. Dentre as danças figuram a allemande, a courante, a sarabanda, o minueto, a giga, a chacona, a ária e muitas outras danças.
Existem outras formas barrocas. As que expus são as mais comuns. O importante é ter em mente que, nas obras desse período, normalmente, há mais de um movimento e o momento de aplaudir é sempre ao findar de todos os movimentos. Consultar o programa é sempre bom para saber o momento correto de bater palmas.

10. Relaxe

Aplaudir é sempre um ato de agrado pelo que foi oferecido. O trabalho de um músico é imensurável e, por mais que desejemos agradar, o calor do aplauso é sempre o que traz motivação para continuar.
Não é nenhum pecado aplaudir na hora errada. Na verdade, o ato mostra que o momento foi prazeroso e agradável. Ruim é não aplaudir. Apenas deixamos de aplaudir aquilo de que não gostamos. Se o aplauso não vem, os músicos sentem que não estão agradando, logo, não ficam motivados a apresentar um bis. Sem aplausos, os músicos procuram terminar o mais rápido possível com o sofrimento do ouvinte. Ninguém gosta de incomodar o outro. Como músicos, sabemos bem o incômodo que é ouvir aquilo de que não gostamos. O aplauso funciona como um termômetro do quanto a plateia está gostando do evento.
De qualquer forma, conhecer música é sinal de erudição. A inteligência e a cultura são alvos de admiração entre os humanos e se portar de maneira adequada em um concerto rende um bom status.
Portanto, sempre busque se divertir em um concerto e entenda que os aplausos são um pormenor. Em um concerto, a música e sua magnitude é o essencial, o resto é burundanga.

Gostou do post? Inscreva-se no blog e receba as postagens por e-mail. Quer dividir sua opinião? Deixe um comentário!

Comentários

Postar um comentário

Deixe seu comentário

Inscreva-se

Postagens mais visitadas deste blog

20 dicas de como estudar o repertório do seu coral