Gold: The King's Singers lança álbum em comemoração aos 50 anos

Tempo de leitura:

Neste ano o The King's Singers lançou o álbum Gold em comemoração aos 50 anos de atuação do grupo. O repertório conta com diversos sucessos e novas gravações do premiado grupo. A resenha de hoje é sobre ele.

The King's Singers

Formado em 1968 por seis alunos do King's College - Cambridge, o King's Singers é um dos principais grupos vocais atuantes no ambiente musical. Compõe o conjunto dois contratenores, um tenor, dois barítonos e um baixo. O sexteto possui timbre singular e a mistura das vozes me agrada muito.
A atuação na TV rendeu um Emmy e, na música, dois Grammys, além de estarem desde 2013 no Gramophone Hall of Fame junto com importantes interpretes como Claudio Abbado, Daniel Barenboim, Martha Argerich, Yo Yo Ma, Lang Lang, Gustavo Dudamel e outros.


Repertório

A diversidade no repertório é uma das principais distinções dos King's Singers. O grupo é pioneiro na execução de músicas populares à capela paralelamente ao repertório tradicional, trazendo ao grande público a apreciação de música vocal de concerto. Na sua ampla discografia há álbuns de música erudita e de música popular com diversos focos, bem como discos com ambos os repertórios concomitantes.
Essa ideia parece óbvia, entretanto, na minha experiência, observo que, até hoje, essa fronteira mercadológica entre música erudita e popular possui muitos tabus. Ao passo que muitos partidários da música popular consideram a erudita chata e cheia de regras, muitos eruditos consideram a música popular pobre, sem conteúdo e inferior. Desprezo ambas as posições e prefiro considerar tudo música.
Ouvir os King's Singers possibilita uma experiência tão especial que, mesmo aquela música que consideramos mais ou menos, dependendo do arranjo vocal, ganha tamanha beleza que passa a ser vista como algo de grande qualidade. O ângulo de visão da música vocal leva beleza até as criações mais medíocres.

A veia coral

Todos os integrantes dos King's Singers possuem larga experiência coral. Muitos iniciaram como cantores de coro e atuam como regentes em importantes instituições europeias e norte americanas. Por isso os arranjos feitos para o sexteto funcionam bem para coro. Vejo muitos grupos executando com suficiência, inclusive no Brasil.
Considero o King's Singers uma ótima referência coral, pois não caem tanto nos arranjos acrobáticos impossíveis de serem executados num coral de muitas pessoas. A preocupação está na mistura das vozes, na elegância do texto declamado e nas interpretações encantadoras.

Um grupo que aposta na renovação

Conforme zapeio as playlists do King's Singers no YouTube, vejo diferentes cantores no grupo. Não são mudanças bruscas, pois trata-se de um sexteto, mas há uma preocupação constante com a renovação. Talvez esse seja o motivo pelo qual o grupo chega aos 50 anos com jovialidade e maturidade interpretativa. Tudo parece uma grande construção que atravessa diversas gerações.

Gold

Gold é o 66º álbum da ampla discografia do grupo e possui faixas de música popular e erudita de diversos períodos
Possui três cd's: o primeiro com música folclórica anglo-saxã e norte-americana como Shenandoah, Danny Boy, Scarborough Fair e música popular do século XX como And I Love Herr dos Beatles, And So it Goes de Billy Paul, Some Folks Lives Roll Easy de Paul Simon e outras belas poesias da música popular na língua anglicana. Kelele de Angélique Kidjo dá um breve toque africano ao disco.
No segundo e terceiro cd's prevalecem o repertório de concerto, com obras de Tallis, Byrd, Palestrina, Lassus, Schutz, Brahms, Saint-Säens, Fauré,  Vaughan Williams, Stanford, Poulenc, Rutter, e outros.  É evidente a preferência pelo repertório anglo-saxão e francês.
Senti falta de mais exemplos do repertório ibérico. Já ouvi ótimas execuções deste grupo neste seguimento. Talvez o disco esteja mais focado nas raízes do grupo e, por isso, figura apenas um exemplo de música ibérica: Gentil Señora Mia de Juan Vásquez.
De qualquer forma, Gold é um belo álbum e recomendo aos leitores uma escuta atenta e inspiradora.
Abaixo segue links para ouvir no Spotify e no Deezer. Divirtam-se!

 

 Deixe sua opinião em um comentário. Inscreva-se no canal para receber as novidades por e-mail.

Comentários

  1. Quando comecei a estudar canto coral, busquei o repertório no Spotify, e, após certo tempo, ele acabou me recomendando a seguinte música:

    https://open.spotify.com/track/6o2cj42NRuBwXmefbIlH3Z?si=dCd1klK0TmOFvccPKTwzhg

    Que achei muito bonita e só ao ler o texto fui saber que era uma interpretação dos King's Singers.
    Vou ter que ouvir o álbum com calma.

    Valeu pela recomendação, parabéns pelo texto e sucesso!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe seu comentário

Inscreva-se

Postagens mais visitadas deste blog

20 dicas de como estudar o repertório do seu coral